CAMINHOS LITERÁRIOS | A programação local do projeto leitura abre portas (TJRR) em sua 3ª edição possibilitando aos jovens do CSE novos saberes

Publicado quarta-feira, às 14h56

Para acesso e interação a conhecimentos históricos, artísticos e culturais, jovens e adolescentes que cumprem medidas socioeducativas no Centro Socioeducativo Homero de Souza Cruz (CSE) realizaram uma visita guiada à Secretaria de Estado dos Povos Indígenas (SEPI) e ao Museu Integrado de Roraima (MIRR).

A ação ocorreu na manhã desta terça-feira, dia 2 de julho, e foi coordenada pelo Projeto Leitura Abre Portas do Tribunal de Justiça de Roraima (TJRR) em parceria com a Secretaria do Trabalho e Bem-Estar Social (Setrabes).

Segundo a bibliotecária e integrante do Leitura Abre Portas, Madrice Cunha, a iniciativa possibilita que os jovens e adolescentes que cumprem medidas socioeducativas possam ampliar seus conhecimentos sobre a história do Estado e seus antepassados.

A visita é um momento importante, que faz parte do III Caminhos Literários pelo Direito à Cultura, promovido pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ). O Programa Leitura Abre Portas está promovendo esse acesso aos adolescentes, e a partir disso, eles estão aqui também para que possam reconhecer a própria história”, ressaltou a bibliotecária do TJRR.

A excursão permitiu uma imersão na cultura indígena, oferecendo ao público a oportunidade de conhecer de perto exposições únicas de artefatos indígenas e da cultura local.

Para a Diretora do Museu Integrado de Roraima, Helena Campo Fioretti, a visita guiada destaca a importância da parceria entre os poderes públicos para a maior difusão da cultura local e originária.

É a partir dessa parceria, dessa integração, que fortalecemos os espaços de memória, os museus, e contribuímos significativamente para a formação cidadã das pessoas”, afirmou.

A Diretora do Centro de Artesanato Indígena “Ko’ko Damiana”, Telma Taurepang, também ressaltou que o acolhimento aos jovens e adolescentes do CSE é essencial.

“Mostramos a eles a arte indígena, os artesanatos e a forma como podemos receber todos aqui neste departamento. Mas esses jovens têm uma grande diferença, porque precisam ser acolhidos, e nós precisamos acolher de forma harmoniosa”, disse Telma Taurepang.

Para o Coordenador Estadual da Política Socioeducativa do CSE, Hugo Vissotto, a ação instiga a retomada das raízes e cultura dos jovens e adolescentes do CSE.

Esse processo é extremamente importante, principalmente para que conheçam essa estrutura. Conhecimento também de todo o potencial da rede em instruir e fortalecer a história de Roraima, a história dos povos indígenas e também da flora e da fauna que nosso Estado é tão rico”, finalizou Vissotto.


Nucri/TJRR – julho/2024

Texto: Eduardo Haleks/Repórter  

Foto: Nucri/TJRR  

Pular para o conteúdo